O nome mais comentado da internet nesta terça-feira (1) foi o de Juliana Caetano. Não está reconhecendo? É porque ela é mais famosa por seu nome artístico: Juliana Bonde. A cantora de forró foi parar no topo das redes sociais após lançar a música "Quem Vai Querer Minha Periquita".

O que mais chamou a atenção na letra da música foi a citação a diversos famosos como Lula, Bolsonaro, Luan Santana e Pabllo Vittar. Até o padre Fábio de Melo apareceu no bolo, com Juliana garantindo que ele "pega periquita escondido".

Muita gente só conheceu Juliana agora, mas esse bonde já anda faz tempo. Ela é famosa nas redes sociais há muitos anos, acumulando 6 milhões de seguidores em seu Instagram - a maioria homens de direita atraídos por suas fotos onde aparece sempre seminua.

Apesar de forçar um sotaque caipira, com seu clássico bordão "oi, amorrrr" (puxando muito o r), Juliana tem 27 anos e nasceu na cidade de Barreiras, na Bahia. Ela começou a cantar ainda na igreja, mas se encontrou no forró, onde entrou na banda Bonde do Forró - daí o nome.

No Instagram, ela bomba respondendo caixinhas de admiradores enquanto veste roupas curtas e distribui poses provocantes. O conteúdo nas redes é uma amostra do que ela divulga em um grupo só para adultos no Whatsapp, mediante o pagamento de uma assinatura.

Ela também cria reality shows, como a "Mansão Bonde - Tudo Pela Fama". Na segunda temporada, o programa foi rebatizado como "Cozinhando e Dando" e, na terceira, "Entrando com Bola e Tudo".

Em agosto de 2020, ela realizou uma live apresentando hits como Garota de Programa, Amor de Rapariga e Tome na Pepeka, mas atenções ficaram voltadas para a reta final do evento, quando rolou uma reedição da banheira do Gugu. “Para de comentar que tá vulgar. Não! É uma homenagem para o Gugu, que morreu ano passado em casa. Fique em casa, gente!”, ironizou.

De direita
Juliana também é conhecida por ser fiel defensora de Jair Bolsonaro nas redes. Em 2018, instigou seus seguidores a votar nele, usando camisas com a cara do atual presidente. Ela garantia que os outros artistas eram contra ele por causa da "Lei Rouanet".

Apesar de ter citado Bolsonaro na música que viralizou essa semana, dizendo que não daria sua periquita a ele, com medo de que ele a metralhasse, ela reforçou o apoio ao mandatário após a pandemia, convocando fãs para as manifestações a favor do governo.

A personalidade controvérsia e o machismo vigente já levaram Juliana a ser alvo de ataques nas redes e exposições para sua família. Recentemente, ela foi vítima de um assalto em sua casa, no interior de São Paulo. Na época, ela chorou muito e até hoje lida com os traumas e consequências do momento aterrorizante que vivenciou com sua família.