A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), estabeleceu cinco dias para que o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti, explique a assinatura de uma nota técnica que afirma, sem base científica, que as vacinas não têm segurança comprovada contra a doença. 

Hélio assinou um parecer que rejeitou as diretrizes da Conitec (Comissão de Incorporação de Tecnologias ao SUS) para tratamento de pacientes infectados por coronavírus. A comissão apontava a segurança dos imunizantes aplicados no país contra a Covid-19. A ministra atendeu a um pedido da Rede Sustentabilidade que visa o afastamento do secretário e a suspensão do parecer assinado por Angotti. Na decisão, a magistrada afirmou que políticas públicas de saúde devem seguir "normas e critérios científicos e técnicos, tal como estabelecidos por organizações e entidades internacional e nacionalmente reconhecidas". 

De acordo com fontes no governo, Hélio Angotti foi indicado para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro. A permanência dele na pasta é motivo de descontentamento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que foi chamado ao Planalto nesta quarta-feira (26), de última hora, pelo chefe do Executivo, como revelou o R7.