É uma aposta de longo prazo, mas que começa a dar motivos de esperança. Vacinas terapêuticas para curar o câncer estão em pleno desenvolvimento e uma empresa francesa envolvida nessa corrida tem confiança em que ela se tornará realidade.

Nos laboratórios do Transgene em Estrasburgo, os vírus não têm má impressão, muito pelo contrário. Os pesquisadores dessa empresa de imunoterapia cuidam deles e os desenvolvem para atacar as células tumorais.

A estratégia é transformar esses vírus para produzir antígenos tumorais que permitiriam ao sistema imunológico ativar e produzir a resposta adequada em pacientes com câncer ou naqueles que correm o risco de recaída da doença.

Os vetores virais usados pelo Transgene são de uma família de varíola bovina. É de certa forma um retorno às origens: foi com esse vírus que o médico britânico Edward Jenner fez a primeira vacina contra a varíola no fim do século 18.“Sabemos modificá-lo com muita facilidade e produzi-lo em grande escala”, explica Johann Foloppe, pesquisador da farmacêutica.

É um trabalho de engenharia que reflete os avanços na terapia gênica. E ainda há mais: os cientistas fornecem a esse vetor viral funções adicionais para ativar o sistema imunológico nas células cancerosas.

Em seguida, são necessárias inúmeras etapas para desenvolver esses vetores e verificar sua eficácia. 

No laboratório de histologia, os cientistas observam se a imunidade é ativada ou não contra células tumorais previamente retiradas de pacientes.

Se tudo correr bem, em suas telas essas células cancerosas, representadas em azul, são gradualmente cobertas por pontos vermelhos ou roxos que representam os linfócitos que matam o tumor.

As vacinas terapêuticas, que podem usar diferentes tecnologias, como o RNA mensageiro no qual os imunizantes Pfizer ou Moderna contra a Covid-19 se baseiam, são de interesse crescente para o setor de pesquisa e biotecnologia.

"O princípio é o mesmo: educar o sistema imunológico para procurar anormalidades nas quais ele não atue", explica o professor Christophe Le Tourneau, chefe do departamento de testes clínicos iniciais do Instituto Curie e principal pesquisador de um estudo com Transgene.

“Uma célula torna-se tumor pelas modificações de seu DNA. Essas modificações deveriam ser detectadas, mas não são. Temos que fazer o sistema imunológico entender, graças à vacina, que são perigosas”, acrescenta o cientista.

Trata-se de um setor competitivo em que também operam empresas como a Moderna ou a BioNTech. A sociedade americana Dendreon já começou a comercializar um tratamento para o câncer de próstata. 

A farmacêutica Transgene atua em vários projetos. Entre eles, um está em testes humanos de fase 2, "TG4001", para combater o câncer causado pelo papilomavírus humano (HPV). Com o uso de antígenos do HPV, o sistema imunológico é educado para reconhecer e destruir células tumorais.

A empresa de biotecnologia também desenvolve "myvac", vacinas personalizadas especialmente contra o câncer de ovário que usam mutações genéticas do mesmo tumor. Para fazer isso, é utilizada inteligência artificial, que determina quais mutações genéticas devem ser integradas ao vetor viral.

Na segunda-feira (22), o laboratório Transgene publicou os primeiros resultados positivos para um ensaio clínico de fase 1, mostrando que o sistema imunológico dos primeiros pacientes havia sido ativado.

Mas "resposta imunológica não significa eficácia clínica", lembra sabiamente o professor Le Torneau, que, mesmo assim, acredita que as vacinas terapêuticas podem ser uma revolução para os pacientes.